A Terapia do Esquema é um modelo da abordagem Cognitivo Comportamental que se destaca por ser integrativa, ou seja, utiliza-se de conceitos e conhecimentos da Psicanálise e Gestalt, ampliando os referenciais para melhor compreensão da complexidade humana.

Ela surge após o psicólogo Jeffrey Young perceber que a terapia cognitiva tradicional apresentava algumas limitações para o tratamento de pacientes com transtornos de personalidade ou com transtornos mais severos, na medida em que esses pacientes não conseguiam responder a algumas suposições fundamentais da terapia cognitiva tradicional.

A terapia do esquema pode ser considerada uma evolução do modelo cognitivo por enfatizar um nível mais profundo da cognição, o denominado Esquema Inicial Desadaptativo (EID). Os EIDs, são estruturas rígidas e duradouras que se desenvolvem na infância e repercutem na personalidade do sujeito. Em sua origem, os EIDs foram adaptativos, foram a resposta que o sujeito encontrou para encarar determinadas situações, porém esse padrão que se estabeleceu lá na infância não é mais adaptativo na vida adulta, e agora ele é disfuncional para o sujeito. 

 Esses esquemas iniciais desadaptativos se encontram associados a diversas psicopatologias e caracterizam-se como padrões emocionais e cognitivos, que tendem a se repetir ao longo da vida, configurando-se como padrões de comportamento disfuncional e como um modelo de funcionamento da personalidade do sujeito.

Os esquemas são categorizados em cinco grandes domínios, o psicólogo irá juntamente com seu paciente identificar os esquemas relacionando-os aos problemas do presente relatados pelo paciente e compreender a origem dos esquemas, posteriormente ocorre a mudança do esquema, onde o paciente é ativamente estimulado a mudar seu esquema de pensamento desadaptativo para uma forma mais saudável e eficiente, por último ocorrem as mudanças efetivas de comportamento a longo prazo.

A terapia do esquema utiliza-se de instrumentos para auxiliar na identificação dos Esquemas Iniciais Desadaptativos, o mais utilizado é o Questionário de Avaliação de Esquemas Disfuncionais, que possui uma versão original e uma versão reduzida.

   A Terapia do Esquema procura ajudar o paciente a identificar seus esquemas e se tornar consciente das memórias, emoções, sensações corporais, cognições e estilos de enfrentamento associados com estes esquemas. O autoconhecimento sobre os esquemas e estilos de enfrentamento permite que o paciente exerça certo controle sobre suas reações, aumentando seu poder de escolha e deliberação consciente em relação aos EIDs.

Escrito por:

Maiara Silveira Dellinghausen
Psicóloga Clínica
CRP 07/34430